Conceitos

Filme-ensaio sobre o Rio quer pensar a linguagem 3D.
Ensaio visual será o primeiro a utilizar nova geração de câmeras estereoscópicas de ultradefinição

Cinco ou seis ensaios estereoscópicos à procura de uma narrativa” ou “estereoensaios” é o primeiro curta-metragem no mundo a utilizar câmeras Red Epic em 3D.

Trata-se de um ensaio audiovisual de altíssima tecnologia que pretende explorar imagens com definição e profundidade. O Rio de Janeiro, novamente, é a cidade para onde as câmeras pioneiras se dirigem. Assim como no lendário da Vista da Bahia da Guanabara dos irmãos Segreto de 1898. As “vistas” agora são mostradas em altíssima definição e estereoscópicas.

A ideia parte dos desafios tecnológicos do par único de câmeras, das dificuldades enfrentadas com o equipamento ainda desconhecido dos especialistas, do desafio do processamento de imagens que serão mostradas com quase 10 milhões de pixels em cada olho e que somados projetam 20 milhoes de pixels por frame na tela. Este experimento remonta os desafios dos pioneiros do cinema e recupera o maravilhamento dos aparatos estereoscópicos do século XIX.  Com apenas dois anos de existência em 1856, a London Stereoscopic Company chegou a vender meio milhão de visores estereoscópicos. Walter Benajmin relata mais de uma vez a sua experiência com o Kaiserpanorama em Berlin em 1900, comenta o fascínio público com as paisagens e usa o estereoscópio como metáfora da nova configuração da modernidade com imagens dispostas como se saíssem de gavetas”.  Em 1891, Edson tinha a intenção de dar profundidade estereoscópica às imagens do Kinetógrafo, a versão portátil do Kinetoscópio. Louis Lumière fez uma versão estereoscópica da Chegada do trem à estação em 1935 e que, aliás, talvez tenha sido a responsável pelo famoso espanto com o realismo das imagens, que geralmente se atribui à projeção pública de 1896. 

Estes elementos é que conectam os pequenos ensaios estereográficos do filme: as vistas, antes mesmo de se tornarem paisagens, sem o recurso do contra-campo e os elementos de movimento fortuito das máquinas e do corpo humano. 

A visão estereoscópica gerada pelas novas tecnologias de captura em ultradefinição (5K) permite pensar em novas possibilidades imagéticas, novas metáforas para o cinema e um novo patamar de sensações – enfim, toda uma nova aesthesis. Se antes tínhamos o “cinema-olho” (no singular), com Dziga Vertov e a centralidade da perspectiva monocular que acompanha a sua história, hoje a imagem estéreoscópica permite que se perceba o mundo visual ao nosso redor através de uma “stereopsis”. Em outras palavras, trata-se de um deslocamento da câmara de cinema, cíclope, com um só olho, para um olhar de câmeras duplas, estereóptico. Nesse sentido, como pensar em todo um novo mundo das imagens a partir de uma perspectiva binocular?

Então, antes de tudo o tema do filme é a questão: o 3d é uma linguagem ou um efeito?

CONCEITOS

Filme-ensaio:  não é um documentário, nem uma ficção, nem um docudrama. Quase todos os filmes de referência são filmes-ensaios: objetos não identificados em termos de gênero cinematográfico. Com imagens documentais, mas sem compromisso documental, com imagens ficcionais, mas sem compromisso narrativo ficcional.

Stereopsis: a câmera de cinema era CICLOPE – só tinha um olho. A nossa é STEREOPSIS – http://en.wikipedia.org/wiki/Stereopsis . Como pensar em imagens que sugiram este aspecto Binocular?  Vejam o celular com duas câmeras: http://www.youtube.com/watch?v=IcYqzl0XnVI  verdadeiro Stereopsis!

Vinheta inspiração: Vinheta a ser usada entre os ensaios: Mas não em animação, uma vinheta como a do olho do Dziga Vertov.: http://www.youtube.com/watch?v=vvTF6B5XKxQ  / Sobre o olho-cine (kino glaz): http://www.youtube.com/watch?v=79RX-cRQo2I&feature=related
Vejam o efeito reverso do mergulhador…. http://www.youtube.com/watch?v=brVO2l4bONc&feature=related

Outras Inspirações: Anemic Cinema do Marcel Duchamp / cuja propósito era mesmo tornar estereográfico o plano bidimensional do cinema. http://www.youtube.com/watch?v=dXINTf8kXCc / Reflexos em Newport: vejam o início do filme-ensaio do Bert Stein: http://video.aol.com/video-detail/jazz-on-a-summers-day-a-film-by-bert-stern/3468471700

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s